Entrevista: Ronaldo Correia de Brito


Retirado de Jornal de Poesia

José Inácio Vieira de Melo é poeta e jornalista. Publicou os livros Códigos do Silêncio (2000), Decifração de Abismos (2002) e A Terceira Romaria (2005). É co-editor da revista Iararana e coordena o projeto Poesia na Boca da Noite. Nota: ele é o entrevistador do texto abaixo.

Ronaldo Correia de Brito
– O código do livro dos homens

Jornal Tribuna Feirense – Tribuna Cultural
Feira de Santana – BA, domingo, 17 de julho de 2005

Ronaldo Correia de Brito, 55 anos, cearense radicado em Pernambuco, formado em Medicina no Recife, é um dos mais aclamados contistas brasileiros. Depois da consagração com o livro Faca, publicado pela CosacNaify, em 2003, e um dos finalistas do prêmio Telecom 2004, Correia de Brito lança, pela mesma editora, Livro dos Homens, em que dá continuidade a temática sertânica, da qual é inovador.

As histórias do contista do Sertão dos Inhamuns têm como cenário um sertão arcaico que sucumbe aos avanços da modernidade, mas que insiste em conservar os costumes, os seus códigos de honra. Suas personagens, por vezes, parecem retiradas de passagens bíblicas e, por outras, é como se saíssem da tela do cinema.

Nesta entrevista, Ronaldo Correia de Brito fala do avanço que dá, em Livro dos Homens, na relação entre cultura erudita e popular, da sua paixão pelo cinema e pelo teatro e de como essas linguagens dialogam no processo de criação de seus contos.

José Inácio Vieira de Melo – Depois do sucesso unânime de seu segundo livro, “Faca” (CosacNaify, 2003), você traz aos leitores “Livro dos Homens”, também publicado pela CosacNaify. O universo temático permanece: “Um sertão de ressonâncias existenciais, denso, de linguagem depurada (…)”. Em quais aspectos um livro se diferencia do outro, ou há uma continuidade como nos livros “Contos da Montanha” e “Outros Contos da Montanha” de Miguel Torga?

Ronaldo Correia de Brito – Eu e Rodrigo Lacerda, editor da Cosac, selecionamos 13 contos para compor “Livro dos Homens”, de um conjunto de 28 narrativas, cuidando em apresentar um livro novo, mas com ressonâncias do anterior. Textos como Sapo, publicado na revista “Iararana” e Catana ficaram de fora por terem endereço certo, um mundo urbano facilmente reconhecível, ao contrário do “incerto sertão” em que costumo situar minhas histórias. Em “Livro dos Homens”, os conflitos culturais do nosso tempo, o estranhamento do sagrado e a globalização, temas que me são caros, estão presentes em Cravinho, Qohélet e A peleja de Sebastião Candeia, para citar apenas três contos. Acredito que também avancei na complexa relação entre cultura erudita e popular, transitando mais livremente por esses dois mundos, aparentemente inconciliáveis.

JIVM – Você publicou o primeiro livro de contos, As noites e os dias, em 1996, já próximo dos cinqüenta anos de idade. O que o levou a esse “tempo de espera”?

RCB – Você lembra o filme “Fanny e Alexander”, de Ingmar Bergman? Tem uma bela metáfora sobre a arte, ou sobre a alma, se você preferir. Na casa de um judeu antiquário, que salva o menino Alexander do padrasto tirano, a alma do artista, vou chamá-la assim, é representada por Ismael, O Proscrito, que vive preso num quarto, guardado por cadeados e correntes. Este personagem masculino é interpretado por uma atriz, acentuando a ambigüidade da criação. Acho que na minha vida e na de muitos artistas, estou lembrando o italiano Lampedusa, aconteceu algo semelhante. Carregamos esse artista encarcerado dentro de nós, visitamo-lo vez por outra às escondidas, temerosos de que ele possa soltar-se. Tememos os estragos que acarretaria para as nossas vidas a sua absoluta liberdade. Sim, sempre me ocupei da literatura como o filósofo Espinosa se ocupava das lentes em que dava polimento, para descansar a mente dos pensamentos filosóficos. Todos os dias eu trabalhava os meus contos, estes que estão sendo publicados agora, reescrevendo-os à exaustão. Novelas de vinte páginas encolhiam para seis ou sete páginas. Sempre tirando, limpando, obsessivamente. O conto Eufrásia Meneses, do “Livro dos Homens”, foi escrito há 30 anos. De lá para cá, sofreu mais de 50 reescritas. Um trabalho de doido.

Eu também sofria de um certo pavor à publicação, embora a desejasse. É contraditório, mas foi sempre assim mesmo. Além disso, achava que existiam livros demais, que os meus só iriam aumentar a confusão da Babel. E como se não bastasse, naquela época, eu vivia ocupado com o teatro e a medicina. Mesmo para uma pessoa que respira literatura desde pequena, mas que escolheu a profissão de médico, com uma jornada semanal de trabalho de no mínimo 60 horas, sobrava pouco tempo para escrever. Por mais que amasse os livros.

JIVM – Em seus contos há momentos (“Qohélet”, “Milagre em Juazeiro” – Livro dos homens; “Sapo” – Revista Iararana 10) que se aproximam da linguagem cinematográfica. O ritmo, as pausas conduzem o leitor para uma sala de projeção. Em que medida o cinema é uma influência em sua produção literária?

RCB – Quando deixei o Sertão dos Inhamuns e fui morar no Crato, na época a segunda maior cidade do Ceará, meu pai levou-me ao cinema. Tornei-me um viciado, freqüentador assíduo das salas de projeção, um deslumbrado como a Cecília de “A Rosa Púrpura do Cairo”, de Woody Allen. Via filmes todos os dias, os bons e os péssimos. Sabia as cenas decoradas, prestava atenção nos cortes, na música, nos enquadramentos. Lia e via cinema. Era um caso perdido. A professora do grupo escolar chamou os meus pais e falou preocupada que eu vivia no “mundo da lua”. Foi a primeira vez que escutei essa expressão. Descobri que todo filme e livro, por pior que seja, sempre nos ensina alguma coisa. Quando vi “O Evangelho Segundo São Mateus”, sem nunca ter escutado falar em Pasolini, entrei em estado de graça, tocado pela ousadia da direção. Em contrapartida, numa noite de segunda-feira, desligaram as máquinas e suspenderam a projeção de “A Chinesa”, de Godard, porque toda a platéia preferiu ficar no saguão do Cine Cassino, olhando a chuva torrencial, de pé, presa e sem poder ir para casa, mas também sem querer assistir aquela chatice de filme. Impregnei-me de cinema e literatura como se fossem uma mesma linguagem. Na verdade, misturo teatro, conto, novela, cinema, ao meu bel-prazer. Circulo com naturalidade de um lado para outro. Transformo minhas peças em contos, os contos em peças, sem pudor.

JIVM – E as suas referências literárias mais importantes, quais são?

RCB – Eu gosto de livros que contenham todas as histórias, que pareçam inesgotáveis, que sejam representações do humano e do mítico. Comecei por uma seleta da “Bíblia”, a “História Sagrada”. Nesse livro eu aprendi a ler, e nele reconheci meu mundo, o sertão e seus pastores. Aprendi o sentido de amizade, que cultuamos como a mais elevada das virtudes. Muito cedo li a obra de José de Alencar e a de Machado de Assis. Também a de Monteiro Lobato. Depois, por um feliz acaso, tive nas mãos a “Ilíada” e a “Odisséia”, livros que nunca mais larguei. Ao mesmo tempo iniciei-me nas “Mil e uma Noites”, na versão clássica de Antoine Galland. Veio o tempo dos russos – Tolstoi, Dostoievski, Gogol –; do teatro grego, de Shakespeare, de Molière. Curti a moda da literatura latino-americana, até descobrir e esbarrar em Jorge Luis Borges. Li Fernando Pessoa, Lorca, os poetas brasileiros, e também esbarrei no meu eleito, Walt Whitman. Minha descoberta da maturidade são os clássicos indianos, Mahabharata e Ramayana. Não cito aqui a leitura dos contemporâneos, trato de livro que me influenciaram. Recentemente, um crítico escreveu que eu devo a Moreira Campos, contista cearense, cobrando que eu referisse isto. Eu considero Moreira Campos um dos melhores no gênero, mas só o conheci há bem pouco tempo, quando já havia definido o meu ritmo, e escrito esses livros que estão publicados. Devo a Moreira Campos ele ter existido e ser tão bom. E lamento não tê-lo conhecido antes.

JIVM – As personagens femininas são fortes presenças em seus livros. Contos como “Inácia Leandro” e “Cícera Candóia”, do livro Faca; e “Eufrásia Meneses” e “Maria Caboré”, de Livro dos homens, são uma prova disso. Davi Arrigucci Jr., no posfácio de Faca, salienta que essas personagens são “tremendas mulheres em situações extremas numa região específica do Brasil, vivendo dramas universais”. O que o leva à composição dessas personagens?

RCB – Sempre gostei das mulheres e tomei para mim as suas dores. Sou um feminista do feminino. Parece brincadeira, mas é isso mesmo. Você não citou a mulher do “Livro dos Homens” que mais aprecio, a personagem sem nome do conto Rabo-de-burro. Na versão do conto para teatro ela se chama Antígona, em homenagem à heroína de Sófocles, que brigou sozinha contra a cidade de Tebas, pelo direito de sepultar o irmão. Sempre refleti sobre a vida das mulheres como minha avó, viúva com 33 anos, nove filhos, uma fazenda para administrar, num tempo em que bandoleiros, bandos de ciganos, levas de retirantes e beatos corriam os sertões, assombrando as pessoas. Minha mãe fazia os trabalhos da casa, educava os oito filhos, ensinava, exercia o papel de enfermeira da comunidade, e à noite costurava nossas roupas, numa máquina Singer de pedal. Minha mulher, minha filha, e muitas outras mulheres são exemplos de força, coragem e resistência. Os homens se tornaram perplexos diante da afirmação desse poder feminino. Agora estou mais preocupado com os homens, com a nossa fragilidade, o impasse diante de um futuro sombrio, sem rumo certo, uma vez que ruíram todas as certezas em que estávamos assentados. Sim, este é um excelente tema para os meus contos, novelas e romances. Vou ocupar-me dos homens. Nós merecemos compaixão.

JIVM – Apesar das diferenças no processo de criação, parece existir uma confluência temática entre o sergipano Antonio Carlos Viana, o baiano Aleilton Fonseca e você. Os cenários, a presença constante da morte são algumas dessas semelhanças. Pode-se entender que está surgindo um grupo de escritores cuja proposta é a inovação e a retomada da temática do sertão, ou se trata de uma simples coincidência?

RCB – Eu acredito na coincidência de mais escritores da latitude nordestina estarem produzindo e sendo lidos, do que num movimento. Desde que Gilberto Freire estabeleceu os cânones do Movimento Regionalista, e surgiu o Romance de 30, que tentam enquadrar a nossa produção nessa cartilha, esquecendo que já se passaram 70 anos, e que todo escritor escreve na perspectiva do seu tempo. Essa cartilha nos prestou um grande desserviço. Regionalismo virou palavrão. Chamar um autor de regionalista é uma maneira de diminuir o valor do seu trabalho, reduzi-lo a estereótipos, enquadrá-lo em chavões, tratá-lo com preconceito e deboche. Pior do que ser chamado de regionalista só mesmo ser chamado de folclórico. Ou de contador de causos. Escrevi um artigo para a revista Continente com o título Regionalista é a Mãe. O título foi censurado. É como se nada tivesse acontecido nas bandas de cá desde 1930, o mundo houvesse parado, e nós ainda escrevêssemos com bico de pena. Isto ocorre no mundo inteiro, e no Brasil não seria diferente. Quem detém o poder econômico, o poder da mídia, dita as normas de mercado, estabelece os critérios de qualificação e desqualificação. Estabelece até um modelo de crítica, e o ensina nas universidades. É exemplar um ensaio de Mário de Andrade sobre a poesia de Ascenso Ferreira, alertando para o risco do poeta cair na tipicidade, ele mesmo um regionalista de carteira, porque não há romance mais cheio de tipicidades do que Macunaíma, ou que mais mereça o adjetivo de regionalista.

Eu gosto de Antonio Carlos Viana e de Aleilton Fonseca, mas acho que a nossa escrita é bem distinta. Isto é ótimo. Temos em comum a região em que nascemos, mas não percebo neles, nem em mim, algo parecido com movimento. O sertão de que trato não existe, é pura memória inventada. Escrevo sobre um sertão invadido pelas cidades. E sobre cidades arruinadas pela ruptura com o sertão. Meus personagens, apesar da paisagem desértica, são neuroticamente urbanos. O que é o sertão, você sabe? Eu juro que não sei. No entanto, ele existe. E eu nada mais faço do que procurá-lo.

JIVM – O conto está passando por um processo de revitalização, como conseqüência tem conquistado mais espaço. Como você analisa este momento do conto e da literatura brasileira?

RCB – Apesar de desprestigiado, em relação ao romance, nunca se publicou tantos livros de contos, almanaques e antologias. Tem muita gente escrevendo bem. Mike Jagger, numa entrevista a Caetano Veloso, disse que conhecia pelo menos dez bandas de rock, melhores do que os Rolling Stones, tocando no metrô de Nova Iorque. Imagine quantos contistas bons existem por aí, desconhecidos. Acho que temos mais contistas no Brasil do que poetas na dinastia Thang, na velha China, onde “cada homem era um poeta”, e a lista dos mais afamados chegou a 2300 nomes.

JIVM – Fale de sua incursão pelo teatro. O dramaturgo influencia na produção do contista?

RCB – Eu sempre escrevi para teatro, desde menino. Tenho muita intimidade com a carpintaria teatral. Mas escrever para teatro implica na perspectiva da encenação, do diretor, dos atores. Se não existe essa perspectiva, não se produz. É a mesma coisa com os roteiros de filme ou as novelas de TV. Você pode até criar uma súmula, mas o texto só sai mesmo, quando existe a promessa da encenação ou da filmagem. Em todas as épocas os dramaturgos escreveram para companhias e encenadores. Eu já tive várias peças encenadas e por isso escrevi bastante. Ultimamente cuido de contos e novelas. Desejo publicar o que está engavetado há anos. No meio dessa papelada, tem teatro, conto, novela, sempre em transformação, um virando noutro.

JIVM – Boa parte dos contistas acaba desembocando no romance. Vai acontecer o mesmo com você? Quais os projetos futuros?

RCB – Venho ensaiando um romance há alguns anos. Não porque ache o conto um formato de narrativa inferior. Pelo contrário. Até acho que no romance se gastam muitas palavras, há excessos dispensáveis. Mas o romance oferece a oportunidade de muitos personagens falarem, de exporem discursos diferentes. É um espaço para teses. Um diálogo de Platão não deixa de ser um romance. Essa nossa conversa, por exemplo, poderia ser parte de um romance. Você não acha? Então, vamos tentar um romance.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s