Um pouco mais sobre Carlos Zens


Retirado do Blogue Poeira e Cantos

Cantor. Compositor. Instrumentista. Flautista. Arranjador.

Foi criado no bairro Rocas.

Estudou música na Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Bacharelou-se pelo Instituto de Artes da UNESP (Universidade Estadual Paulista).

Toca vários instrumentos de sopro, entre eles, sax soprano, flautim e pífaro, sendo flautista da Banda Sinfônica de Natal e também professor do mesmo instrumento no Solar Bela Vista – SESC, Rio Grande do Norte.

Em 1983, ingressou na Banda Sinfônica da cidade de Natal.

No ano de 1986 fez o primeiro recital de flauta e piano na capital potiguar.

Entre os anos de 1988 e 1989 integrou a Banda Sinfônica do Estado de São Paulo. Ainda em 1989, participou da “3º Semana Nacional de Música Brasileira”, na cidade de Vitória, Espírito Santo, apresentado-se ao lado da pianista Adriana Francato. Participou também do “V Festival Nossa Música”, realizado pela Secretaria Estadual de Cultura de São Paulo.

Em 1992, passou a atuar no “Projeto Escola Aberta”, da Fundação do Desenvolvimento para Educação, na cidade de São Paulo, apresentando oficinas culturais. Dois anos depois, em 1994, participou de homenagens a Tom Jobim no programa “Nas Quebradas do Sertão”, apresentado pelos radialistas Amorim Filho e Expedito Duarte, na Rádio Bandeirantes. No ano seguinte, atuou no “Projeto Seis e Meia”, em Natal, com o compositor paraibano Vital Faria.

No ano 1996 lançou o primeiro CD, “Potyguara”, uma produção independente, no qual interpretou, entre outras, as músicas “Água marinha”, “Alma rosa” e “Amizade”, todas de sua autoria. No mesmo ano, participou do “Projeto Seis e Meia”, em Natal, apresentando-se ao lado de Roberto Menescal e Wanda Sá. Em seguinda, em 1997, apresentou-se no “Projeto Pixinguinha”, no Rio de Janeiro juntamente com Nelson Sargento e Família Roytman. No mesmo ano, lançou o CD “Potyguara”, no Espaço Cultural Píccolo, na Vila Madalena, em São Paulo. No mesmo período, apresentou-se no programa “Viola minha viola”, de Inezita Barroso na TV Cultura de São Paulo. Em 1998, participou da “V Bienal da Fotografia”, em Citta di Loreto, na Itália, apresentando-se ainda em Roma, Ancona, Recanati, Civitanova e Ímola. No mesmo ano, participou do “Projeto Seis e Meia”, em Natal, dividindo show com Hermeto Pascoal, no “IV Encontro de Cultura Popular do Rio Grande do Norte”. Em 1999, recebeu o “Prêmio Hangar” na categoria “Melhor Instrumentista do Ano”. No mesmo ano, participou do projeto “Gereba Convida”, na Serenata da Umes (SP), em noite dedicada ao compositor potiguar Sebastião Barros (K-ximbinho), cujas obras interpretou. Também no mesmo ano participou do CD “Nação Potiguar”, homenagem aos 400 anos da cidade de Natal, tocando ao lado de Oswaldinho do Acordeom e interpretando “Eu quero é sossego”, de K-Ximbinho e Hianto de Almeida. No show do mesmo projeto atuou ao lado do músico Itamar Assunção.

Em 2000, voltou a ser escolhido o “Instrumentista do Ano” e recebeu o segundo “Prêmio Hangar”. No mesmo ano, apresentou-se no “Festival da Música Brasileira – Sud Sul”, na cidade de Sanary, na França, com o grupo Oficina Potiguar Choro & Cia.

Em 2001, participou do “Projeto Cultural Banco do Nordeste”, em Fortaleza, no Ceará. Na mesma época, participou do “Circuito Cultural Banco do Brasil”, em Natal e do “Festival de Inverno de Guaranhuns”, em Pernambuco. Ainda em 2001, participou do CD “Canto do Seridó”, de Elino Julião e recebeu o prêmio de “Melhor Show Instrumental”. Também no mesmo ano, lançou o CD “Carlos Zens o tocador de flauta”, interpretando “Bem brasileiro”, “Cordão dos pastores”, “Sons da Amazônia” e “K-Ximbinho sempre”, todas de sua autoria, além de um arranjo que juntou “Primavera”, de Vivaldi e “Asa branca”, e Luiz Gonzaga numa mesma música. Participou do projeto “Seis e Meia”, no qual dividiu o palco com Paulo Moura.

Em 2002, a convite de Vera Santana, fez as transcrições e direção musical do CD “Canta meu boi”, de Mestre Manuel Marinheiro, trabalho aprovado no “Projeto Petrobras Música”.

No ano de 2004 lançou o CD “Fuxico de feira”, no qual interpretou “Royal Cinema” (Tonheca Dantas), “Um canto pra Natal” (Augusto Frankelin), “Escadaria” (Pedro Raimundo), “Brocoió” (c/ Carlos Cruz), “Minha saudade” e “Panela de mel”, ambas em parceria com José Lucas. O disco ainda contou com as participações especiais de Lia de Itamaracá em “Cirandando pela praia” e ainda de Dominguinhos e Mingo Araújo na faixa “Cabeceiras”, parceria com Dácio Galvão.

Em 2005 participou do “Projeto Pixinguinha” que começou no Rio de Janeiro, onde gravou o espetáculo no Auditório Radamés Gnattalli, na Rádio Nacional e show inicial na Sala Funarte Sidney Miller, partindo depois para uma turnê nacional com o projeto. Neste mesmo ano foi o ganhador do “Troféu O Poti”, sendo um dos vencedores do “Prêmio Cultural Diário de Natal” na categoria “Música”. Sua esposa Antônia Rodrigues o representou na entrega do troféu, por estar em turnê do “Projeto Pixinguinha”, apresentando-se ao lado de Lia de Itamaracá, no Rio Grande do Sul.

Anúncios

3 comentários em “Um pouco mais sobre Carlos Zens

  1. Assisti a apresentação desse talentoso artista na TV SENADO (16/01/2015),ficando deslumbrado com o imenso dom poético e sapiência em mostrar a cultura regional e nacional que os meios de comunicação trabalham para sufocar nossa rica e grandiosa fauna musical. Parabéns e sucesso meu jovem, não desanime. Gostaria de saber como obteria obra sua (CD, DVD, etc.)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s