Folclore e Festas Mato Grosso


Retirado de Ache Tudo e Região

O folclore está historicamente incorporado como uma base científica para o estudo e conhecimento do comportamento popular. Tem em Mato Grosso as mais diversificadas formas de expressão, representadas basicamente pelas danças, lendas e contos que na sua grande maioria sintetizam a herança, principalmente, do índio e do negro. Nas lendas indígenas, nas crendices na solidão da selva, assim como nas peripécias pelos campos, forjou-se um psicológico mesclado como o cristianismo . É notável também a transferência de lendas de outras regiões, nesse ecletismo de crença, nasceu a ambigüidade da fé, isto é, contra o Pé de Garrafa, Pai do Mato, Minhocão do Pari, Lobisomem, e outras, as rezas e orações católicas. O psicológico do mato-grossense é forjado dentro dessas crenças e também sortilégio mouro-cigano. Tais povos se mesclaram muito com a população ribeirinha.

Isso explica o gosto pela dança, música, cores fortes, brincos de argola de ouro, truco espanhol e impetuosidade românticas” – Milton Pereira de Pinto – O Guapo. As danças e os folguedos populares mato-grossenses são variadas, e nem todas são típicas do Estado, ocorrendo em vários outros recantos do Brasil. É o enriquecimento gradual e benéfico da cultura popular de Mato Grosso em função da formação cultural através dos tempos.

OS DIAS MAIS FESTEJADOS
08 de Janeiro: Santo Rei
10 de Janeiro: São Gonçalo (casamenteiro das velhas e curador das doenças dos ossos)
20 de Janeiro: São Sebastião
21 de Março: São Bento
13 de Junho: Santo Antonio (Casamenteiro das moças)
24 de Junho: São João
29 de Junho: São Pedro
26 de Julho: Sant’Ana
16 de Agosto: São Roque (Considerado curador)
50 dias após páscoa: Senhor Divino
04 de Outubro: São Francisco
05 de Outubro: São Benedito (Em Cuiabá é comemorado a partir de Junho)
07 de Outubro: Nossa Senhora do Rosário
08 de Dezembro: Nossa Senhora da Conceição Sem dia definido: Nossa Senhora da Guia
13 de Dezembro: Santa Luzia (Protetora da visão)
25 de Dezembro: Senhor Menino
FESTA DO DIVINO

Celebrado em diversos municípios de Mato Grosso, a Festa do Divino é representada pela Pomba, símbolo da paz, que figura em grandes bandeiras de cetim vermelho e branco.

Os festeiros, responsáveis pela festa, geralmente são escolhidos num concorrido sorteio solene. Cada festeiro assume uma insígnia sagrada, que carrega durante toda a esmola e procissão: a coroa é levada pelo Imperador, o centro, pela Imperatriz, a bandeira rica pelo Alferes da Bandeira e a bandeira pobre pelo Capitão do Mastro.


O principal elemento desse ritual é o mestre, que guarda detalhado conhecimento das práticas rituais, aptidão para música e capacidade de liderança. O seu mandato é vitalício. Quando há a presença dos “foliõezinhos”, é também o mestre o responsável pela escolha e treino dos meninos, que entoarão os cantos sagrados durante a esmola e a festa propriamente dita.


Os músicos ou tocadores são, com frequência, em número de três: o mestre, tocando a viola, o contra-mestre, que é o tocador de sanfona e um “bumbeiro”, que toca a caixa.
A Festa do Divino, no seu dia, é comemorada com toque de sino, fogos de artifícios e muitos cantos e músicas, realizados pelos músicos e foliões.

FESTA DE SÃO BENEDITO


É importante lembrar que a festa de São Benedito (geralmente realizada na última semana de junho, e com encerramento no 1º domingo de julho), apesar de ter características semelhante à do Senhor Divino, não tinha a mesma magnitude , uma vez que na primeira predominava a participação popular, enquanto na segunda, era a alta sociedade cuiabana que liderava os festejos. Nestas festas, bem como na Nossa Senhora do Rosário era comum a realização da dança de Congos, vale dizer a semelhança entre a desta do Senhor do Divino e a de São Benedito diz respeito a todo ritual que acontece dias antes, no qual os festeiros percorrem as ruas da cidade levando de casa em casa a bandeira dos santos e recebendo donativos que serão transformados em alimentos para serem servidos no dia da festa propriamente dita. Neste dia após a missa da madrugada é servido, a toda a população que queira participar, alimento o dia todo, começando pelo chá com bolo e adentrando a noite com danás regionais e pratos típicos da culinária mato-grossense.

BOI-À-SERRA

Topo


Em várias regiões do Brasil encontramos manifestações folclóricas que falam sobre a vida e a morte de bois bravos e vaqueiros destemidos. Temos, no Maranhão, o Boi-à-Serra; em Santa Catarina, o Boi-de-mamão, no Pará, a Dança do Boi, em São Paulo e em Mato Grosso; o Boi-à-Serra; Luiz Câmara Cascudo, em seu “Dicionário do Folclore Brasileiro”, nos fala sobre a origem dessas danças no Brasil: “Pelas regiões da pecuária, vive uma literatura oral louvando o boi, suas façanhas, agilidade; força, decisão. Desde fins do século XVIII os touros valentes tiveram poemas anônimos, realçando-lhes as aventuras bravias.” Houve tempo em que o Boi-à-Serra foi muito difundido em Mato Grosso, principalmente nas localidades de Santo Antônio do Leverger, Varginha, Carrapicho, Engenho Velho, Bom Sucesso e Maravilha, onde existiam grandes canaviais e a atividade econômica predominante eram os engenhos de açúcar. A dança do Boi-à-Serra hoje, consegue ainda manter suas características iniciais apenas na localidade de Varginha, no município de Santo Antônio do Leverger. Lá as pessoas ainda cantam uma toada que conta toda a trajetória de vida e morte de um boi que é capturado por destemidos vaqueiros, enquanto dançam. Em outras localidades, como em Cuiabá e Santo Antônio do Leverger, encontramos a dança do Boi-à-Serra já muito modificada, ou inserida num outro folguedo popular: o Siriri.

Época em que se realiza

O Boi-à-Serra é um folguedo do carnaval mato-grossense. Durante os festejos do carnaval, as pessoas brincavam ou ainda brincam, em alguns lugares, o Siriri, o Entrudo, o Boi-à-Serra e também o Cururu, que é uma manifestação quase sempre ligada à religiosidade do povo. Porém, segundo alguns tiradores, o Boi-à-Serra pode ser dançado em qualquer festa.

0 Nome do Boi

É comum, nas localidades onde existe a dança do Boi-à-Serra, o responsável por sua confecção dar o nome ao boi. Este nome é dado através de alguma característica que o mesmo tenha, ou seja, devido à cor do tecido que o reveste, ao brilho deste ou a alguma parte cômica da figura do boi.

Instrumentos Usados no Boi à Serra


Os instrumentos musicais usados no Boi-à-Serra são a viola de cocho e o ganzá, mas sempre que o Boi-à-Serra surge inserido na dança do Siriri, nota-se ainda a presença do mocho. Em depoimento, tiradores lembram-se de ter visto pessoas dançarem o Boi-à-Serra sem utilizar qualquer instrumento de corda, só de percussão. Quanto ao número de instrumentos que usam no folguedo, varia muito, pode ocorrer de uma a quatro violas e ganzás.

Viola de Cocho
Típica do Estado de Mato Grosso, é fabricada artesanalmente a partir de um tronco de madeira inteiriça, esculpida no formato de uma viola que é escavada no corpo até que suas paredes fiquem bem finas, obtendo-se assim o cocho propriamente dito (a maior ou menor ressonância depende da espessura das paredes e do tampo). As violas geralmente medem 70 cm de comprimento.

Mocho

Espécie de banco de madeira, cujo assento ë feito com couro cru, que é recortado e molhado ao ser pregado sobre o banco. É percutido com duas baquetas de madeira de, aproximadamente, “um palmo e meio” de comprimento. Pode-se usar o mocho pendurado no pescoço ou, se for de tamanho maior, colocado no chão e tocado por uma ou até duas pessoas, ao mesmo tempo. Na falta do mocho, usa-se uma bruaca (saco ou; mala de couro cru, para transporte de objetos e mercadorias sobre animais) ou um couro inteiro de boi, enrolado, no qual bate-se com dois pedaços de madeira. Até mesmo uma caixa de madeira pode ser usada para a percussão, na falta do instrumento.

Figurantes da dança

  • Boi.
  • Chamadores do Boi .
  • Toreador.
  • Mascarado.
  • Cabeça de Apá .
  • Bico de Brasa .
  • Jacaré, Veado, Ema, Macaco.

O Boi


0 Boi, a figura principal da dança, é confeccionado pelos próprios membros da comunidade. 0 encarregado da missão de fazer o Boi para a festa começa a reunir o material com antecedência. Esse material consiste basicamente em:

  • algumas ripas de madeira
  • algumas taquaras
  • barbante ou cipó
  • a carcaça da cabeça de um boi
  • um cobertor grande ou um pedaço de chitão florido
  • enfeites para o boi

As ripas de madeira devem ser finas, pois todo o material tem que ser muito leve para facilitar a movimentação da pessoa que carrega o Boi. A carcaça deve ser bem seca pelo mesmo motivo, quanto mais seca, mais leve. Para a cabeça do Boi também pode-se usar outro material, qualquer armação que se pareça com uma cabeça de Boi, pode ser inclusive confeccionada de gesso. Para enfeitá-lo, costuma-se usar flores de papel, brilhos, fitas, enfim, isso depende muito do gosto e dos recursos de que a comunidade dispõe. Com as ripas e taquaras é feita uma armação, tudo muito bem amarrado para que fique firme. As ripas de madeira formam o “lombo do Boi” e têm o comprimento aproximado ao do animal que se procura imitar. Os arcos, que dão o formado arredondado ao corpo do Boi, são feitos de taquara por serem mais flexíveis.

CAVALHADA

É a Cavalhada uma demontração da força do folclore mato-grossense, apesar de ser difundida em outros estados brasileiros, foi trazida há séculos por imigrantes europeus, permanecendo entre nós até os dias de hoje, sendo especialmente difundida na cidade de Poconé, rica em cultos às tradições. É uma batalha simulada em que figuram cavaleiros, representando mouros e cristãos, disputando a posse de uma princesa. Foi trazida há séculos pelos imigrantes europeus, permanecendo no folclore mato-grossense, principalmente em Poconé.
De acordo com Rubens de Mendonça, em seu Roteiro Histórico e Sentimental da Vila Real do Bom Jesus de Cuiabá, a Cavalhada foi realizada pela primeira vez em 20 de julho de 1769, em Cuiabá, na comemoraçãopela chegada do Capitão-General e 3º Governador da Capitania de Mato Grosso, Luís Pinto de Souza Coutinho. Foram três tardes de Cavalhadas, em que participaram as pessoas da nobreza, provavelmente foram realizadas no largo da Mandioca.

Em Mato Grosso, a representação da batalha campal costumava ser uma mistura da lendária Guerra de Tróia com as lutas religiosas das Cruzadas, caracterizadas pelas guerras entre mouros e cristãos. Após o término das festas religiosas do Divino, formava-se um campo improvisado na forma de um retângulo, cujos lados maiores eram tomados por grandes palanques para os espectadores, que tomavam o espaço todo. Dentro do retângulo traçava-se uma circunferência com cal. O público que lotava o local era formado por famílias que vinham em trajes elegantes, e pela massa popular que se acomodava nas sombras formadas pelos palanques. Todos chegavam desde o início da tarde da Cavalhada. Por fora da praça da batalha encontravam-se inúmeras tendas ou botequins.

Uma banda musical dava o sinal do início do folguedo, executando uma composição simples que se dizia o hino do Divino. Depois entravam os cavaleiros ao som de uma marcha. Entre os cavaleiros encontravam-se os mais destros da sociedade, montados nos mais belos espécimes de cavalos preparados com capricho.

A batalha se iniciava com o assalto ao castelo, feito de bambu e pano de algodão, armado a um canto da praça, de lá se retirava a Princesa e o castelo era incendiado, representando o rapto de Helena descrita na Ilíada. Do rapto de Helena passava-se, em um salto de tempo, para a luta entre mouros e cristãos, que trocavam golpes de lanças, espadas e disparos de pistolas, tornadas mais realistas através de quatro cabeças, feitas de massa, espetadas em estacas simetricamente plantadas pelo terreno.

Ao ritmo de tambor e cornetas realizavam-se outros jogos, tais como os do limão, em que dois cavaleiros disparavam em uma corrida na qual alvejavam-se com limões. Ao final do evento ocorria a jogo da argolinha, que consistia em uma competição na qual erguia-se na extremidade de uma raia, em linha reta, uma pequena argola presa por uma corda no alto de um varal, que algumas vezes era de ouro ou prata; cada cavaleiro devia tentar tirá-la, passando em disparada, com a ponta da lança, quem conseguisse recebia como prêmio essa argola, mais valiosa ainda se fosse de ouro ou de prata.

A Cavalhada permaneceu por décadas esquecida, foi resgatada no final da década de oitenta, principalmente em Poconé, Cáceres e Porto Espiridião, que retomaram a tradição. Neste resgate da batalha simulada, permaneceu a luta entre os cavaleiros mouros e cristãos que formam 12 pares, sendo 1 Mantenedor, 1 Embaixador e 10 soldados, que usam como armas – na encenação da luta – lanças, espadas e pistolas. Os mouros vestem-se de cetim encarnado e os cristãos de cetim azul, ambos usam chapéus com plumas, capas de cetim e ricos ornamentos. Os cavalos também recebem um tratamento especial, com fitas, cetim e flores de papel.

Os cavaleiros, tanto os mouros quantos os cristãos, possuem um auxiliar, são os personagens chamados pajens, representados por crianças uniformizadas, que se assemelham com os soldados. Outros personagens são os cavaleiros mascarados, que ficam ao redor, e têm por função proteger os espectadores, os pajens e os cavaleiros,durante o intervalo eles brincam no campo, imitando a batalha.

A exemplo do que ocorria no passado, diversos torneios, jogos e corridas são realizados, ao ritmo de uma marcha executada por dois antigos participantes da competição, cada um com uma caixa de percussão reproduzindo o som das patas dos cavalos em movimento. Cada ponto marcado pelas equipes é comemorado ao som do rasqueado, marchinhas de carnaval e outros ritmos que são tocados por uma banda musical, além dos aplausos do público que se divide em torcidas pelos mouros e pelos cristãos.

Ao final os cristãos são declarados vencedores, independentemente dos pontos obtidos, e a bandeira de São Benedito, padroeiro da festa, é carregada pelos mantenedores mouro e cristão, que percorrem o local da batalha exibindo-a ao público espectador. A paz enfim é restabelecida, então o Hino do Divino Espírito Santo é tocado, sendo reverenciado em silêncio por todos.

Anúncios

6 comentários em “Folclore e Festas Mato Grosso

  1. Prezado
    Não retire esta informação se vc tiver autorização do site para divulgar…
    E pode colocar as informações do meu site se forem de seu interesse, mas solicito que coloque a origem, como vc já tem feito.
    Reintero os meus parabens pela iniciativa.
    Vamos trabalhar para divulgar o que o nosso País tem de melhor!
    Abraços
    João Carlos Vicente Ferreira

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s