Publicado em calango, dança, dança folclórica, folclore, RJ, Wilson Woodrow Rodrigues

O Calango


Retirado de Jangada Brasil

O Calango — baile típico da Baixada Fluminense
Wilson W. Rodrigues

Uma das mais curiosas formas de coreografia popular da Baixada Fluminense, na zona de influência da estrada de penetração para a região Serra-acima (Estrada velha de Petrópolis, atual estrada Automóvel Clube) é o calango. O calango, como, em geral, acontece nessas designações é baile, dança, canto e música. É realizado debaixo de latadas especialmente construídas para a “função” e parece ser o gênero típico que predomina nessa parte da Baixada Fluminense. Tivemos ocasião de assistir a diversos calangos, e baseados em observações diretas de nosso trabalho de campo é que fazemos, pela primeira vez, o registro dessa tradição fluminense.

Registro

Nome: Calango

Região: Parada Angélica, distrito de Imbariê, município de Duque de Caxias, estado do Rio do Janeiro. Localidade rural por excelência, na qual predomina a lavoura da banana. O estilo da habitação é o da casa de sopapo coberta de sapê. Predomina na população a influência negra. Largo consumo de cachaça. Alimentação básica: aipim, feijão, angu, carne seca, banana e comumente, caça local. A recreação típica é o calango. Não existe igreja na localidade, e conseqüentemente há ausência de festas religiosas, a não ser a comemoração do dia de São João. É costume a reza das ladainhas como culto doméstico.

Origem: O calango parece ser de proveniência mineira e resultar de duas fontes étnicas: a européia e a negro-africana. É a interência que tiramos de sua denominação. Dos europeus recebemos o habitualismo de dar o nome de bicho as danças (cf. Pavana de pavo; tarantela, de tarântula; etc.); calango é também nome de certo iguanídeo, o camaleão. Dos negros recebemos o vocábulo “calango” que, cf. Jacques Raimundo em O elemento afro-negro na língua portuguesa, deriva de ambundo kalanga ou rikalanga, que significa lagartixa. O étimo, porém nos sugere a hipótese de que a forma primitiva do calango fosse uma dança imitativa. Os dançarinos nesse caso imitariam o “passo do calango”; o arrasta-pé característica que ainda hoje se observa nesse folguedo, talvez seja ainda o vestígio do andar arrastado do réptil. Ora, em se tratando, além de uma dança, também é um desafio, é possível que o étimo negro-africano, não seja propriamente kalanga significando “lagartixa”, mas o verbo de kibumdo, kalanga que significa “prevenira; cf. Pereira do Nascimento em seu Dicionário sobre o kimbundo, registra: Prevenir, v. a. Kalanga. Ficar de prevenção (ensina o africanólogo luso) em kimbundo é o verbo kanga. Ora, num desafio ambos contendores se encontram sempre de prevenção. Não será excesso ligar o calango desafio com o verbo kalanga (prevenir).

Caráter: Dança recreativa em que tomam parte ambos os sexos.

Formação: Dança de parelha

Dança: Os pares dançam arrastando pé: o arrasta-pé acompanha o ritmo musical.

Canto: É um gênero de desafio com dois cantadores ou mais cantadores. Cada cantador é independente na sua cantoria e apenas o “pé de cantiga” une os assuntos; os temas às vezes não possuem nenhuma conexão entre si; apenas o “pé de cantiga” religa-os. O canto não tem nenhum caráter de polêmica, nem de sátira. Embora haja verso improvisado, a contextura do calango é ordinariamente tradicional. Cantam quase sempre em falsete, e não deixa de ser curioso se ver negro forte e de voz grossa cantando fino e em tom anasalado.

Texto: Os seguinte textos foram recolhidos em Parada Angélica.

Ninguém fale do calango
Que o calango é meu xará
Quem quiser cachaça boa
Manda o calango buscar
Que o calango é bem mandado
Vai depressa e volta já.
Amigo patrão, meu amo
Eu agora vou falar… etc.

Estribilho
O-lê-lê
Calango deu
O-lê-lê
Calango dá

Música: Compasso binário. Repetição de notas nos fragmentos melódicos. Tonalidade em bemol.

Instrumentos: Viola, cavaquinho, sanfona, chocalho.

Observações: Ainda não foi feito o registro cinematográfico do calango. Ao que nos conste esta é a primeira comunicação a respeito.

(Rodrigues, Wilson W. “O calango; baile típico da Baixada Fluminense”. Vanguarda. São Paulo, 18 de setembro de 1953)

Anúncios

Autor:

Quando pequeno, era desses bebês bem gordinhos e todo encolhidinho em si. Meu tio não teve dúvidas: caburé, por parecer uma corujinha toda gorda, de asas fechadas.

Um comentário em “O Calango

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s