Publicado em boiadeiro, nordeste, Palmyra Wanderley, poema, RN

Nordeste – Palmyra Wanderley


Retirado de Jornal de Poesia

Nordeste
Palmyra Wanderley

Que mais feliz o teu destino fosse,
do que sujeito ao sol que te consome.
Pedes na seca a esmola de água doce
e um pedaço de pão porque tens fome.

Sumiu-se a voz do boiadeiro, mudo.
Secaram as fontes que aleitavam o rio.
No desespero de quem perde tudo
fecha a porteira do curral vazio.

Teus lábios racham, ao travo das raízes.
carregas o destino de infelizes,
rasgando os ombros nus, nos espinheiros…

Enquanto arquejas, maltratado, langue,
a terra tísica vai golfando sangue,
pela boca vermelha dos cardeiros.

Anúncios

Autor:

Quando pequeno, era desses bebês bem gordinhos e todo encolhidinho em si. Meu tio não teve dúvidas: caburé, por parecer uma corujinha toda gorda, de asas fechadas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s