Publicado em Carlos Pena, PE, poema

Poema de Natal – Carlos Pena


Poema de Natal
(in Livro Geral, 1959)

-Sino, claro sino, tocas para quem ?
-Para o Deus menino que de longe vem.
-Pois se o encontrares, traze-o ao meu amor.
-E o que lhe ofereces, velho pecador ?
-Minha fé cansada, meu vinho, meu pão,
Meu silêncio limpo, minha solidão.

Carlos Pena

Anúncios

Autor:

Quando pequeno, era desses bebês bem gordinhos e todo encolhidinho em si. Meu tio não teve dúvidas: caburé, por parecer uma corujinha toda gorda, de asas fechadas.

Um comentário em “Poema de Natal – Carlos Pena

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s