LITERATURA DE CORDEL

RETIRADO DO SÍTIO Diário de Pernambuco

-x-x-x-

LITERATURA DE CORDEL

Cordel renovado: pernambucano Josué Limeira faz rima com Pokémon e série Game of thronesProduções visam dar um toque moderno à linguagem poética tradicional e conquistar um público jovem

Por: Bárbara Valdez

Publicado em: 08/03/2017 12:42 Atualizado em: 08/03/2017 13:57

Livretos remontam ao estilo tradicional do cordel. Foto: Josué Limeira/Arquivo pessoal/Divulgação
Livretos remontam ao estilo tradicional do cordel. Foto: Josué Limeira/Arquivo pessoal/Divulgação

A narrativa rimada do cordel, retrato típico dos causos nordestinos, ganha toques de modernidade com releituras de histórias clássicas e contemporâneas. Produções de Shakespeare, Lewis Carrolll e Victor Hugo já foram apresentadas com traços matutos. Aqui em Pernambuco, o cordelista Josué Limeira, trouxe para os leitores o livro O pequeno príncipe (Carpen Diem, 2015), indicado ao prêmio Jabuti ano passado. Com um estilo que valoriza produções que fogem do comum, o autor aposta em mais duas aventuras que fazem parte do cotidiano jovem, a franquia Pokémon e série Game of thrones.

Desenvolvidos em forma de livretos, estilo tradicional do cordel, os textos buscam atrair crianças e adolescentes, que podem ainda não estar familiarizados com esse gênero literário que preza pela poesia. “Quando falamos a linguagem atual, sutilmente trazemos o público jovem para o cordel e isso dá espaço para o uso das narrativas em escolas”, explica Josué Limeira em entrevista ao Viver. Ele afirma que começou a explorar essas novas ideias porque percebia uma carência no mercado e  também acha importante trazer um ineditismo para a literatura.

O matuto e o Pokémon é uma história autoral, baseada no jogo da franquia japonês. “O objetivo é brincar com a tecnologia e relação que o público mais velho tem com ela”, conta. No livreto, um matuto que não tem medo de chupa cabra fica espantado ao se deparar com vários bichinhos tecnológicos que saem do celular e aparecem no meio da plantação. Vendida por R$ 5, a obra tem ilustrações do filho de Josué, Guilherme Limeira.

Seguindo o gosto pela contemporaneidade está o texto Game of thrones em cordel, que faz uma releitura até a quinta temporada da série sucesso da HBO. “Eu quis trazer uma brincadeira com essa história da qual sou fã e atingir o público um pouco mais velho, de adolescente a jovem”, pontua Limeira. O exemplar pode ser adquirido diretamente com o cordelista, também pelo valor de R$ 5.A literatura de cordel tem origem na época do Renascimento, no século XV, e é formada por versos que seguem uma organização métrica. No Brasil, o gênero ganhou força aqui no Nordeste, em estados como Pernambuco, Ceará e Rio Grande do Norte. Por ter um formato específico, o ponto mais difícil das adaptações, de acordo com Limeira, é construir rimas utilizando palavras estrangeiras, mas também há a preocupação em não descaracterizar as narrativas originais. Quando escreveu o livro O pequeno príncipe em cordel, o autor afirma que releu a obra de Saint-Exupéry dezenas de vezes até apreender a essência da história.

Adaptações não são novidades entre cordelistas. Além de Limeira, João Gomes de Sá e Marco Haurélio, naturais de Alagoas e Bahia, respectivamente, também escreveram histórias inspiradas em clássicos. A dificuldade é nas produções que buscam inovar trazendo temas atuais para as composições poéticas. “Fora as proposições ligadas à saúde pública, como prevenção de dengue ou zika, os cordelistas são muito ligados as raízes”, conta Josué.

Trecho de O matuto e o Pokémon

Anastácio de Zezé / Matuto de profissão / Caçador de chupa cabra / Sem medo de assombração / Ganhou um novo celular / Pra receber ligação / Era um celular bonito / Com 3G e com wifi / Atrás dele tinha escrito / Não se quebra quando cai/ Mas o homem não sabia/De um joguinho instalado/ Bola branca e vermelha/ Com um nome engraçado/Era o tal do Pokémon/Que jamais tinha escutado.

Entrevista com Josué Limeira

O cordel é um gênero literário marcante. Em sua opinião a que se deve essa força?
A literatura de cordel resiste na sociedade há muito tempo. Uma de suas principais marcas, além da sonoridade, é conseguir unir vários estilos literários num só. Os textos de cordéis têm romance, tragédia, anedota e comédia. Eles conseguem brincar com diferentes situações. É isso que conquista o público.

A literatura de cordel tem um estilo próprio, muitas vezes com um público cativo. O mesmo ocorre com as obras que foram adaptadas por você. Como é apostar nessas misturas, que, à primeira vista podem estar tão distantes?
Eu sempre gostei de mexer com modernidade, de poder inovar. Eu admiro muito o apego que os cordelistas, em geral, têm com suas raízes, mas também é importante trazer coisas novas, falar a língua do público de hoje.  As pessoas já trabalham com releituras de clássicos, agora precisamos também trazer narrativas contemporâneas, como Game of thrones. Isso facilita a inserção do cordel em salas de aula e pode ampliar o espaço que temos nas livrarias.

Quais as novidades que o público leitor pode esperar das produções de Josué Limeira?

Eu tenho um livro pronto, intitulado Dona boca e a revolta do corpo, que deve ser lançado em fevereiro, mas ainda não tem data definida. A produção é uma narrativa em prosa, sem ligação com cordel, que trata da alimentação saudável e é voltada para o público infantil. Ela tem ilustração do meu filho Guilherme Limeira e deve ser publicada pela Editora Cativa, um selo próprio que estou montado.

SERVIÇO

Os livros e livretos de Josué Limeira estão à venda no site http://www.emcordel.com.br ou pelo e-mail josue.limeira@gmail.com
Quanto: entre R$ 5 e R$ 30

Continuar lendo “LITERATURA DE CORDEL”

Folhetos de cordel portugueses na Casa de Ruy!

RETIRADO DO SÍTIO Casa de Rui Barbosa

poemia

A Fundação Casa de Rui Barbosa (FCRB) convida para a exposição “Folhetos de cordel portugueses: coleção Arnaldo Saraiva”. A abertura será 11 de dezembro de 2014, quinta-feira. Ás 17 horas haverá uma mesa-redonda, na sala de cursos da FCRB, sobre o tema com a participação do colecionador Arnaldo Saraiva, do curador Alexei Bueno e do embaixador Alberto da Costa e Silva. Em seguida, às 18 horas, a abertura da exposição no Museu.

Continuar lendo “Folhetos de cordel portugueses na Casa de Ruy!”

O homem mais mal-humorado do mundo

RETIRADO DO SITE da revista Playboy

-x-x-

Ele é um intransigente defensor da “tolerância zero”, um vulcão de irritabilidade, a lenda viva da grosseria. Tenha o prazer de conhecer Seu Lunga – porque certamente ele não terá nenhum prazer em conhecer você…

Por Adriana Negreiros (Fotos:Grabiel Rinaldi)

Seu Lunga foi ao restaurante e pediu uma sopa. O garçom perguntou: “Levo no prato, Seu Lunga?” De pronto ele devolveu: “Não, jogue no chão e venha empurrando com um rodo”. Na hora de pagar a conta, puxou o talão de cheques. O garçom teve dúvidas: “Vai pagar com cheque, Seu Lunga?” Ele olhou para o garçom por alguns segundos e disse: “Não, peguei o talão pra lhe escrever um poema”.

Continuar lendo “O homem mais mal-humorado do mundo”

Repentistas decidem criar sindicato nacional da categoria

RETIRADO DO SITE Agência Brasil

-x-x-x-x-x-x-

Repentistas decidem criar sindicato nacional da categoria

15/02/2013 – 20h13

Repórter da Agência Brasil – Edição: Aécio Amado

Brasília – No último dia do 2º Encontro Nordestino de Cordel, cordelistas e repentistas de vários estados decidiram criar o seu sindicato nacional. Duas propostas foram colocadas em votação: a que previa sindicatos estaduais e a de um sindicato único de âmbito nacional, com o apoio de delegacias estaduais. Foi aprovada a proposta de sindicato único. “Entendemos que fica mais fácil fazer essa administração no momento. Da outra forma, haveria a possibilidade de, em vez de criar um sindicato forte, criar dez ou 15 sindicatos fracos”, disse o repentista Antônio Lisboa Filho, que participou da mesa de discussão.

Para Chico de Assis, organizador do encontro e também repentista, a criação de um sindicato para a categoria foi um dos temas centrais dos três dias de evento. “O tema mais polêmico foi a questão do sindicato. Mas foi muito bem esclarecido. Agora a gente está sabendo que passo tem que ser dado para chegar lá”, declarou. Agora, os repentistas deverão instalar uma comissão que será responsável por desenvolver o estatuto do sindicato e levá-lo à apreciação das associações da categoria em todo o país.

Lisboa Filho entende que a entidade de classe ajudará os repentistas a conquistar a aposentadoria, outro tema discutido no encontro. “Pessoas pensam que cordelistas, repentistas e declamadores não têm patrões. Mas nós trabalhamos na promoção de eventos, trabalhamos para empresas, para órgãos governamentais, e temos questões de direitos autorais. O sindicato é um órgão que vai aglutinar uma grande quantidade de cantadores, que precisam de um sindicato para defender”, disse. Para ele, o evento alcançou seu objetivo. “Em regras gerais, atendeu às expectativas. Existem algumas questões mais internas, que serão mais bem debatidas. Mas essa discussão começa aqui e vai pros estados, discutidas nas associações”.

Assis tem a mesma opinião do colega, e acredita que o encontro de Brasília foi um início de uma série de debates maiores. “Eu acho que o encontro valeu. O embate foi ótimo, a gente vai levar um legado proveitoso desse encontro. Agora, a gente vai definir as comissões, para poder encaminhar aos órgãos competentes e lutar pelos direitos dessa categoria, que busca esses avanços através do processo de luta”.

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. É necessário apenas dar crédito à Agência Brasil

Cordel sobre o Natal

Três caminhos para o cordel

RETIRADO DO SITE Musa Rara

-x-x-x-x-x-x-x-

Três caminhos para o cordel

Por Aderaldo Luciano
Em 17/06/2012

A respeito de Ferrabrás e Oliveiros.

Leandro Gomes de Barros é, sem qualquer sombra de dúvida, o pai do cordel brasileiro. Não só por ter sido pioneiro nas publicações ou ter inventado a profissão de autor-editor-revendedor de folhetos. Também, e talvez seja o indício mais forte, por ter experimentado todas as formas, estilos e modalidades poéticas. Experimentou para depurar. Degustou quadras, sextilhas, septilhas, décimas, martelos e outras estrofações. Foi do cordel ao soneto, cançonetas, odes, paródias. Provou das pelejas, contos universais, novelas ibéricas. Enveredou pelos temas sociais, cantou a cidade do Recife, glosou com outros amigos poetas. Crítico contumaz, observador político, não teve medo de errar, nem de quebrar o pé de algum verso. Rebuscou sua escrita e fundou o seu “marco brasileiro”. Ninguém o superou. Pelo contrário, qualquer referência à poesia cordelística obrigatoriamente deverá citar o filho de Pombal.

Continuar lendo “Três caminhos para o cordel”

No canto dos trovadores, a voz rasgada do povo

RETIRADO DO BLOG do Gutemberg

-x-x-x-x-x-x-x-x-

No canto dos trovadores, a voz rasgada do povo

“Veja só quanta miséria/veja só quanta agonia/veja a que ponto chegou a nossa Bahia/o povo sem trabalhar/por falta de energia” (Cuíca de Santo Amaro). Um dos poetas mais conceituado do Brasil foi o baiano Cuíca de Santo Amaro, autor do famoso “O homem que inventou o trabalho”. Seu verdadeiro nome era José Gomes (1907/1964) e os seus primeiros trabalhos começaram, a ser divulgados em 1927. Figura controvertida, amigo de grandes personalidades da época, inclusive de Getúlio Vargas, preso algumas vezes por causa de sua mordacidade – Cuíca era um poeta satírico na linha de Gregório de Matos -, personagem de livros feitos na Bahia para alguns era um engodo e para outros era a maior expressão em literatura de cordel no Brasil. Em mais de trinta anos de atividade literária, o poeta Cuíca de Santo Amaro documentou da maneira mais completa a vida cotidiana baiana. Problemas como a carestia do povo, os costumes, os usos e a moral vigentes na cidade de Salvador, os crimes, os desastres e os pequenos casos escabrosos da vida particular baiana.

Outro consagrado cordelista é Minelvino Francisco Silva (1926/1999), o trovador Apóstolo. Ele é autor de ABC dos Tubarões, e História do Touro que Engoliu o Fazendeiro. A característica mais marcante do trovador é sem dúvida, o seu acentuado senso crítico, além da sua capacidade para fazer rimas. Mas nem sempre o trovador utiliza dos seus versos para glosar. Há folhetos só de exaltação como “A Chegada de Catulo no Céu”, de Rodolfo Cavalcante. Rodolfo (1917/1987) é autor de obras como ABC da Carestia e As Belezas de Brasília e as Misérias do Nordeste. Ele lutou a favor da classe dos poetas de bancada. Publicou artigos em jornal, organizou congressos e fundou associações e agremiações e com isso, tornou mais digna e representativa a classe dos poetas populares. “Não vês a nossa política/prometendo endireitar/a gente passando fome/tudo subindo subindo/a gente se sucumbindo/o mundo vai se acabar”.

É comum na literatura de cordel – diz o crítico Carlos Alberto Azevedo – o culto do herói: Zé Garcia, João Grilo, Vira Mundo, Padre Cícero, Frei Damião e tantos outros, pois que os folhetos decantam a personalidade de um injustiçado, beato ou “santo”. O herói da literatura popular é forjado na própria estrutura social rural, seja em qualquer zona fisiográfica da região (mata, agreste, sertão). O herói é aquele que se rebela contra o statuo quo. Seja ele sertanejo forte e corado ou um Zéamarelinho ancilostizado da zona da mata.

“Com esse aperto de vida/o povo que nada pode/pra se esquecer da fome/leva tudo no pagode/agora, na eleição/nas urnas de Jaboatão/o povo votou num bode/não é coisa de poeta/nem é boato inventado/o caso foi verdadeiro/o rádio tem divulgado/se a gente que não crê no jornal tem o clichê/do bode fotografado” (A Vitória de Cheiroso, o Bode Vereador, de Delorme Monteiro e Silva). A temática da seca atinge o ápice da expressão comunicativa, enquanto crônica, narrativa, protesto político-social, jornalismo na literatura de cordel. É preciso não esquecer que, até meados do século XX, tanto o folheto quanto o poeta popular, que improvisava e cantava nas feiras livres nordestinas, os casos e “causos”, exerciam a função comunicativa que hoje cabe à mídia, em particular, ao rádio e à televisão.

“A Triste partida”, de Patativa do Assaré, cantada por Luiz Gonzaga, talvez seja a síntese de tudo que pode acontecer e se relacionar à seca, não passando despercebido da sensibilidade do poeta popular, conforme se observa nos versos: “Setembro passou/Outubro e novembro/Já tamo em dezembro/Meu Deus, que é de nós?/Assim fala o pobre/Do seco Nordeste/Com medo da peste/E da fome feroz/A 13 do mês ele fez experiência/Perdeu sua crença nas pedra de sal/Mas noutra experiência com força se agarra/Pensando na barra do alegre Natal/Rompeu-se o Natal, porém barra não veio/O sol bem vermeio nasceu muito além/Na copa da mata buzina a cigarra/Ninguém vê a barra, pois barra não tem/Sem chuva na terra descamba janeiro/Depois fevereiro e o mermo verão/Entonce o nortista, pensando consigo/Diz: isso é castigo, não chove mais não/Apela pra março, que é o mês preferido/Do santo querido, o senhor São José/Mas nada de chuva, tá tudo sem jeito/Lhe foge do peito o resto de fé/Agora pensando ele segue outra trilha/Chamando a família começa a dizer:/Eu vendo o meu burro, meu jegue, o cavalo/Nós vamo a São Paulo vivê ou morre…”

Juscelino Kubitscheck, João Goulart e Jânio Quadros foram os presidentes cantados sobretudo em poemas circunstanciais, após suas eleições, no momento de sua instalação no poder e no momento do encerramento de suas funções. Convém juntar o nome de Getúlio Vargas onde o número de folhetos sobre o presidente gaúcho, após sua morte em 1954, é bem superior ao número de folhetos de cada um de seus sucessores. “Amigo agora peço/a vossa honrada atenção/vou rimar, entre soluços/que me vêm do coração/as horas, tristes, amargas/da morte de Dr.Vargas/Presidente da Nação” (A Vida e Tragédia do Presidente Getúlio Vargas, de Antonio Teodoro dos Santos).

A literatura de cordel é um importante meio de expressão popular com valor informativo, documental e de crônica poética e histórica. O cordelista ao mesmo tempo é poeta e jornalista, conselheiro do povo e historiador popular. Em 100 anos de existência a literatura de cordel testemunha a longa evolução percorrida durante mais de um milênio pela literatura européia: a transformação de sua “literatura oral” em literatura na concepção moderna do termo. No Brasil, os encontros, as pelejas, as narrativas de encantamento, os folhetos “de época” vão continuar percorrendo o sertão. E hoje, o cordel é objeto de estudo de vários especialistas. Vida longa ao cordel!.