Discoteca Pública Oneyda Alvarenga

RETIRADO DO SITE DE O GLOBO

-x-x-x-

Discoteca pública criada por Mário de Andrade em São Paulo completa 80 anos e lança portal

Instituição busca novas formas de difundir acervo, que inclui 72 mil discos e registros de pesquisas sobre cultura popular

POR GUILHERME FREITAS
15/08/2015 6:00

Antigas instalações da Discoteca Oneyda Alvarenga, em São Paulo – DIvulgação/CCSP

RIO – Quando Mário de Andrade foi convidado para fundar o Departamento de Cultura de São Paulo, em 1935, um de seus primeiros projetos foi o de uma discoteca pública, onde seria mantido o acervo de uma das instituições que sonhava criar: uma rádio-escola. “As irradiações musicais vivem grandemente do emprego do disco”, escreveu o modernista em ofício ao então prefeito, Fábio Prado, pedindo orçamento para comprar álbuns de “música erudita nacional”, “música popular nacional”, “composição estrangeira erudita”, “música popular estrangeira” e outros “de caráter científico, documentário ou didático”.

Continuar lendo “Discoteca Pública Oneyda Alvarenga”

Artigo sobre sanfona – O Globo

RETIRADO SEM AUTORIZAÇÃO DO SÍTIO DE O Globo – ACESSEM

-x-x-x-x-

Não faz mais de 15 anos. Marcos Nimrichter ia se apresentar ao piano com uma orquestra cujo nome não vem ao caso. Nos ensaios, um amigo falou dele para outro músico: “Olha só: o Nimrichter, além de pianista, é um grande acordeonista.” O músico, então, virou-se para Marcos: “Você toca acordeom? Sanfona? Mas esse instrumento ainda existe?”

— Pior que ele estava certo. Na época, era como se a sanfona não existisse — diz Marcos, hoje com 45 anos.

Sucesso de crítica com Luiz Gonzaga e de crítica graças a nomes como Sivuca e Dominguinhos, o instrumento andava meio esquecido. Fosse sanfona, acordeom ou gaita (todos sinônimos), ficava restrito a festas juninas e aos últimos formandos do forró universitário. Hoje, a história é outra.

Continuar lendo “Artigo sobre sanfona – O Globo”

ACERVO DE CANÇÕES INDÍGENAS DA AMAZÔNIA CHEGA NA INTERNET

NÃO SOMOS OS AUTORES DO TEXTO ABAIXO – RETIRADO DE Amazônia Real

-x-x-x-

Equipe registra dança e música de comunidade indígena de Roraima.

Equipe registra dança e música de comunidade indígena de Roraima.Equipe registra dança e música de comunidade indígena de Roraima.

A diversidade musical das comunidades indígenas do norte do Amazonas e do Estado de Roraima foi reunida em uma inédita e rica coletânea. São quase quatro horas de 80 faixas musicais de grupos indígenas das etnias baniwa, wapichana, macuxi e tauepang, resultado do projeto intitulado “A Música das Cachoeiras” do grupo Cauxi Produtora Cultural. O nome é uma referência às correntezas da bacia do Alto rio Negro. O coordenador Agenor Vasconcelo define o projeto como um “registro etnográfico audiovisual”, no qual o principal foco é a música.

Continuar lendo “ACERVO DE CANÇÕES INDÍGENAS DA AMAZÔNIA CHEGA NA INTERNET”

GRAVAÇÃO DO DVD – Rosa Armorial

TEATRO DO PAIOL
Praça Guido Viaro, s/nº – Prado Velho – Contato: (41) 3213-1340
Curitiba – Paraná

944504_309413802528149_992401749_n[1]

Rosa Armorial

RETIRADO DO SITE DE Carla Zago

-x-x-x-x-x-x-x-

Atualmente o grupo aguarda ansiosamente a chegada de seu primeiro CD, para seu lançamento em Setembro no Teatro Antônio Carlos Kraide e em Outubro no Conservatório de MPB.

Na página oficial do Facebook, ouça um aperitivo do cd, a faixa Repente em versão totalmente original e exclusiva da fanpage.

http://www.facebook.com/rosaarmorial

Serviço:

Teatro Antônio Carlos Kraide fica na Avenida República Argentina, 3430 – Água Verde  Curitiba – PR. Tel.:  (41) 3314-5063. Os shows acontecerão nos dias 29 e 30 de Setembro, às 20h e terão entrada GRATUITA, além de sorteio de cds e venda a preço especial de lançamento.

Conservatório de MPB: Rua Mateus Leme, 66 – São Francisco, Curitiba – PR. Tel.:(41) 3321 -3208. O show participa do projeto “Domingo Onze e Meia” e acontecerá dia 28 de Outubro às 11h30 da manhã, também com entrada franca. Os cds ainda estarão com preço especial de lançamento!!

Continuar lendo “Rosa Armorial”

Entrevista com Antonio Nóbrega

RETIRADO DO SAITE First Post – ACESSEM

-x-x-x-x-x-x-

Refrão – Antonio Nóbrega

O cantor e bailarino pernambucano Antonio Nóbrega, um dos artistas mais completos da atualidade, está no programa Refrão. Ele desenvolveu, ao longo das mais de três décadas de carreira, um estilo próprio de fusão entre música, dança e artes cênicas. O resultado é um movimento em busca da arte universal, que contempla variados ritmos.

No quadro Pauta Musical, você acompanha um bate papo com o advogado e poeta Fabrízio Morelo sobre o Lunário Perpétuo, almanaque que veio de Portugal para o Brasil no século XIX.

O Refrão estreia domingo, às 20h. E é exibido em horários alternativos: segunda-feira às 13h30; terça-feira às 11h30; quarta-feira às 20h; quinta-feira às 13h30 e sábado às 18h.

Entrevista: Inezita Barrosos

RETIRADO DO site Jornal da Tarde

-x-x-x-x-x-x-x-x-x-

Aos 86 anos, ela comanda há três décadas 
o programa ‘Viola Minha Viola’, 
e quer levar até o fim da vida a missão de elevar 
a música caipira e a moda de viola no Brasil 

Por Felipe Branco Cruz

Há 32 anos, a cantora paulistana Inezita Barroso, de 86, comanda o Viola Minha Viola, na TV Cultura. Às quartas-feiras, quando o programa é gravado, a plateia lota o Teatro Franco Zampari, no centro de São Paulo. Às vezes, é preciso até montar um telão do lado de fora. Foi lá, após a gravação de mais um programa, que Inezita conversou com o JT. Quando nasceu, em 1925, ainda era proibido mulher votar. Hoje ela vê o avanço das mulheres em todas as áreas, inclusive na política, com a presidente Dilma Rousseff. Mesmo octogenária, Inezita quer cumprir sua missão de elevar a música de raiz e a viola. Mesmo que ninguém da família – uma filha, três netas e quatro bisnetos – tenha seguido a carreira musical. “É tudo bicho do mato”, graceja.

Qual é o segredo para manter um programa por 32 anos no ar?
Amor à música de raiz. Amor à música da terra. Um pouquinho de briga para colocar tudo isso no ar. E sustentar por esses 30 e tantos anos. Acho que não existe nenhum programa há tanto tempo no ar. Quem tem mais ou menos uma data parecida muda de estação. Tem uma hora que a pessoa cansa e vai fazer outra coisa, pegar outro repertório, se aposentar. Dediquei mais da metade da minha vida a isso. Fiz uma promessa a mim mesmo de elevar a viola. A viola foi o primeiro instrumento brasileiro. Todo mundo faz cara feia quando diz que vai acontecer um show de viola. Já perdi quilos de shows, mas não estou nem aí. Eu não canto por dinheiro. Se cantasse, iria para o viaduto com chapéu no chão.

Então, você vê muita discriminação contra a viola?
Sim, e dentro de São Paulo, no interior, onde a viola é mais forte. A nossa viola é milagrosa. Ela tem mais de 30 afinações. Cada canto do Brasil tem seu estilo.

Se não fosse pela TV Cultura, acha que ‘Viola Minha Viola’ teria espaço em canais como Globo, SBT ou Band?
De jeito nenhum! É outro estilo. É outro jeito, sistema e objetivo. O objetivo não é conservar a música brasileira nem a viola. Tem muita gente que é contra, porque não entende.

A voz da senhora continua afinada. Como cuida dela?
Nada. Nunca aprendi canto. Eu só não tomo gelado. Acho que embaça a voz. Fiz muitos esportes na vida, desde os 6 anos de idade. Ainda tenho a consequência desses esportes, como natação, vôlei e ginástica. Acho que isso me deu uma força física. Se você ficar preguiçoso, está perdido. Enquanto você é moço, tem de batalhar, correr, nadar, ir para a praia. Eu fiz muito isso. Acho que a base de saúde é isso.

O sertanejo está mais fraco ou mais forte atualmente?
Temos dois gêneros: o de raiz, que é o nosso, que é tirado do povo e jogado para o povo. E tem um outro, que não foi tirado de lugar nenhum. Parece uma coisa “não-sei-o-quê universitário”. Isso não dura, não tem lastro. Não está ligado no chão.

Foi bom a senhora citar isso. O que Michel Teló faz é sertanejo ou é pop?
Não é nada. Nem popular, nem sertanejo.

Michel Teló já participou do seu programa?
Mas nem pisa na porta. Se ele tocar Saudade de Matão, eu deixo ele entrar. Não é que eu tenha preconceito. São eles que têm preconceito contra a gente.

É difícil conciliar a gravação do programa com a agenda dos artistas convidados?
Sim. Alguns são dominados por outras pessoas, como empresários e gente que quer ganhar dinheiro. Essa história de que o disco estourou e vendeu milhões? O que vendeu? O povo está arrasado e não pode pagar um sanduíche. Quem acredita nisso?

O sertanejo universitário não contribuiu para chamar a atenção para a moda de viola?
São dois trilhos. Nesse aqui está o “não-sei-o-quê universitário”. E nesse outro trilho, está o pé no chão, o puro e o pé na terra. Esta é uma raiz plantada que nenhum vendaval derruba, desde os tempos do jesuítas. É uma coisa que vem de dentro para fora. Esses moderninhos vêm de fora para dentro. Bate e fica só um mês. São dois trilhos que não se encontram.

Na sua plateia, conheci pessoas que vêm assistir ao programa desde quando ele começou.
Eles gostam mesmo. Não vêm para aparecer na televisão. Deixo o povo solto. Me dá um ódio quando querem amarrar o público e dizer como tem de ser. Eu conheço o meu povo.

A senhora é uma grande defensora das tradições culturais?
Sim. Se a gente não tiver um passado, o que vai sobrar? Você precisa saber por que existem festas religiosas, Folia do Divino e Folia de Reis. As pessoas não sabem o que são as modas de viola.

Quando a senhora nasceu, mulher nem votava. Como vê o avanço feminino hoje em dia?
Era uma coisa proibida e considerada feia uma mulher trabalhar. Acho que a importância da mulher aumentou. A Dilma (Rousseff) é uma delas, não podemos negar. Eu odeio política, mas estou gostando do que ela está fazendo. Não estou alheia. Ela é uma mulher de pulso forte. Não voto mais, graças a Deus. Quando eu votava, era no homem ou na mulher, mas nunca no partido. Penei para ser artista.

Como foi na sua família? Aceitaram a senhora como artista?
Meu pai trabalhava na Estrada de Ferro Sorocabana e minha mãe ficava mais em casa, criando os dois filhos. Eu cantava desde criança. Tinha paixão para tocar violão. Fiz parte de vários grupos de crianças. Eu amava isso. Depois, aprendi piano. Num dia, meu pai disse: “Chega de música e frequentar palco. Você jamais vai frequentar palco”. E eu tinha 8 anos.

A senhora desafiou a família?
Muito. Era muito feio. Eu consegui minha liberdade quando me casei com um cearense. Minhas tias e meus tios mais velhos tinham preconceito contra ele. Minha família dizia: “Seus tios foram para a revolução”. E eu respondia: “E daí?”. Meus sogros foram pessoas de ouro. Foi por causa do meu marido que comecei a carreira. Em casa, só ouvia ópera e música erudita.

Moda de viola, nem pensar?
Mas nem pensar! A primeira viola que comprei, eu tinha 17 anos. Comprei no Del Vecchio. Comecei a tocar em casa. Imagina que eu iria tocar viola na rua.

Sempre convida Jair Rodrigues para o programa. Por quê?
Ele canta muito bem. Gostamos dele, porque ele anima o auditório. Mas estamos convidando os mais mocinhos para o programa. Temos reuniões semanais (para definir convidados).

Como vocês descobrem os talentos para o programa?
Eles mandam muitos CDs. Hoje estou levando cinco. Sento e fico horas ouvindo. Mas é um serviço penoso. A primeira música é boa. A segunda é bacana. Na terceira, já vem uma gritaria e estragou tudo. Sou eu quem dou a palavra final na escolha de quem vai ao programa. De dez discos que recebemos, tiramos só um.

Sente que já está com a missão cumprida?
De maneira nenhuma. Ainda falta muita coisa. Minha missão é valorizar a viola. Isso eu consegui. Nem fabricavam mais. Hoje tem viola até com o meu nome. Quero valorizar também a música caipira, de raiz. Música caipira é riquíssima. O poeta caipira é um herói.